Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais

Dia 28 de julho foi definido como a data do Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, pela Assembleia Mundial da Organização das Nações Unidas.

Grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, a hepatite é a inflamação do fígado. Pode ser causada por vírus, uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. São doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas quando aparecem podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E, esse último mais frequente na África e na Ásia. Milhões de pessoas no Brasil são portadoras dos vírus B ou C e não sabem. Elas correm o risco de as doenças evoluírem (tornarem-se crônicas) e causarem danos mais graves ao fígado como cirrose e câncer. Por isso, é importante ir ao médico regularmente e fazer os exames de rotina que detectam a hepatite.

Para saber se há a necessidade de realizar exames que detectem as hepatites observe se você já se expôs a algumas dessas situações:

  • Contágio fecal-oral: condições precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos (vírus A e E);
  • Transmissão sanguínea: praticou sexo desprotegido, compartilhou seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos que furam ou cortam (vírus B,C e D);
  • Transmissão sanguínea: da mãe para o filho durante a gravidez, o parto e a amamentação (vírus B,C e D)

No caso das hepatites B e C é preciso um intervalo de 60 dias para que os anticorpos sejam detectados no exame de sangue.

A evolução das hepatites varia conforme o tipo de vírus. Os vírus A e E apresentam apenas formas agudas de hepatite (não possuindo potencial para formas crônicas). Isto quer dizer que, após uma hepatite A ou E, o indivíduo pode se recuperar completamente, eliminando o vírus de seu organismo. Por outro lado, as hepatites causadas pelos vírus B, C e D podem apresentar tanto formas agudas, quanto crônicas de infecção, quando a doença persiste no organismo por mais de seis meses.

As hepatites virais são doenças de notificação compulsória, ou seja, cada ocorrência deve ser notificada por um profissional de saúde. Esse registro é importante para mapear os casos de hepatites no país e ajuda a traçar diretrizes de políticas públicas no setor.

A vacina contra a Hepatite B está no calendário de vacinal, portanto a grande maioria das crianças já estão protegidas! O SUS fornece gratuitamente a vacina contra a Hepatite B realizada em 3 doses! Verifique sua carteira de vacinação! Oriente também seus amigos e familiares!

Próximo ao Grupo Géia existe o posto de vacinação dentro do Instituto Central do Hospital das Clínicas – Av: Dr. Enéias de Carvalho Aguiar nº 255 – Cerqueira César-Telefone: (011) 2661-0000.

Fonte: DST – AIDS-Hepatites Virais

10 de julho – Dia Mundial da Saúde Ocular

A visão é um dos mais importantes meios de comunicação com o ambiente pois, cerca de 80% das informações que recebemos são obtidas por seu intermédio. Os olhos merecem atenção especial, que inclui visitas regulares ao oftalmologista para medição da acuidade visual e detecção precoce de quaisquer outras alterações que requeiram tratamento médico como forma de prevenir complicações que possam levar á cegueira. Doenças como hipertensão arterial e diabetes mellitus podem provocar o aparecimento de sintomas oculares e requerem acompanhamento constante.

Principais doenças oculares:

  • Conjuntivite bacteriana
  • Conjuntivite aguda viral
  • Tracoma
  • Miopia
  • Hipermetropia
  • Astigmatismo

Cuidado com os acidentes oculares!

Principalmente na presença de crianças mantenha guardados em locais seguros: substâncias inflamáveis, produtos químicos, medicamentos, objetos pontiagudos ou cortantes, como facas e tesouras.

Mantenha as crianças longe do fogo.

Brinquedos potencialmente perigosos, como estilingues, dardos, flechas, devem ser evitados.

Atenção para esportes considerados violentos e brincadeiras infantis que podem terminar com acidentes.

No carro, utilize sempre o cinto de segurança e coloque as crianças em cadeirinhas ou dispositivos destinados para cada idade conforme legislação.

Dicas para manter a visão e olhos saudáveis!

  • Usar protetor ocular sempre que houver risco de algo que possa atingir seus olhos;
  • Ao sentir irritação, ao cair algum tipo de líquido e em época de tempo muito seco, não esfregar os olhos, leve-os com água abundante ou com soro fisiológico 0,9%.
  • Usar óculos ou lentes de contato apenas quando prescritos por um médico oftalmologista;
  • Tomar cuidados com maquiagens (data de vencimento), pois podem provocar alergias e infecções oculares.
  • Usar óculos escuros em ambientes com claridade excessiva.

Apenas o médico oftalmologista pode fazer diagnósticos! Realize acompanhamento periódico!

Fonte: Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável

Adotar um estilo de vida mais saudável torna-se fundamental para que a população cresça, desenvolva e envelheça com boa qualidade de vida, que em saúde representa, não somente a capacidade de viver sem doenças, mas também de superar as dificuldades dos estados ou condições de doença. Se alimentar de forma adequada diminui os riscos que uma doença já existente (ex: doenças do coração, obesidade, diabetes…) se agrave, previne doenças, além de proporcionar prazer.

Uma das bases para adotarmos um estilo de vida mais saudável é a alimentação. Quem foi criança há trinta anos atrás ou mais, pode ter passado pela experiência de tomar o café da manhã, um lanche antes do almoço, a tarde um outro lanche para “esperar” o jantar, e ás vezes após o jantar tomar uma xícara de chá ou copo de leite antes de dormir! Somando até seis refeições durante o dia, ou seja, alimentar-se a cada três horas.

A atividade física de forma contínua a orientada também é muito importante na mudança de hábito e melhoria do nosso estilo de vida. E para que isso ocorra de forma adequada, precisamos que o nosso corpo esteja nutrido, e assim possamos atender a demanda de gasto de energia e condicionamento físico.

O recomendado pelo Ministério da Saúde é o consumo de alimentos in natura ou minimamente processados, em grande variedade e frequência, os alimentos processados em média quantidade e os ultra processados esporadicamente ou em pequena quantidade.

Alimentos In Natura ou Minimamente Processados

São alimentos que foram extraídos diretamente da natureza ou que precisaram passar por um processo mínimo de limpeza, de fracionamento, de secagem, embalagem, pasteurização, resfriamento ou congelamento, torrefação, moagem e fermentação, para serem consumidos ou para que possam sem armazenados sem se deteriorar rapidamente.

Exemplo:

Legumes, verduras, frutas, batata, mandioca, arroz branco, integral ou parboilizado;

Milho, trigo, aveia, feijão, lentilha, grão de bico, cogumelos;

Frutas secas, suco de frutas e suco de frutas pasteurizados e sem adição de açúcar ou outras substancias, castanhas, nozes, amendoim e outras oleaginosas sem sal ou açúcar, cravo, canela, especiarias em geral e ervas frescas ou secas;

Farinha de mandioca, de milho ou de trigo e macarrão ou massas frescas ou secas feitas com essas farinhas e água;

Carnes de gado, de porco, de aves, ovos, pescados frescos, resfriados ou congelados;

Leite pasteurizado, ultrapasteurizado (longa vida) ou em pó, iogurte (sem adição de açúcar);

Chá, café, e água potável.

OBS: quanto aos óleos, gorduras, sal e açúcar: quando utilizados em quantidade moderada ou em pequenas quantidades, contribuem para diversificar e tornar mais saborosa a alimentação sem que fique nutricional mente desbalanceada.

Alimentos Processados

São os alimentos fabricados pela indústria com a adição de sal ou açúcar ou outra substância de uso culinário a alimentos in natura para torna-los duráveis e mais agradáveis ao paladar. São produtos derivados diretamente de alimentos e são reconhecidos como versões dos alimentos originais (in natura). São usualmente consumidos como parte ou acompanhamento de preparações culinárias feitas com base em alimentos in natura ou minimamente processados.

Exemplo: Cenoura, pepino, ervilhas, palmito, cebola, couve-flor preservados em salmoura ou em solução de sal e vinagre, extrato ou concentrado de tomate (com sal e/ou açúcar); frutas em caldas, frutas cristalizadas; carne seca e toucinho; sardinha e atum enlatados; queijos; pães feitos de farinha de trigo, leveduras, água e sal.

Alimentos Ultra processados

São formulações industriais feitas inteiramente ou majoritariamente de substâncias extraídas de alimentos (óleo, gordura, açúcar, amido, proteína), derivadas de constituintes de alimentos (gordura hidrogenada, amido modificado) ou sintetizadas em laboratório com base em matérias orgânicas como petróleo e carvão (corantes, aromatizantes, realçadores de sabor e vários tipos de aditivos usados para dotar os produtos de propriedades sensoriais atraentes). Técnicas de manufatura incluem extrusão, moldagem, e pré-processamento por fritura ou cozimento.

Exemplo: Vários tipos de biscoitos, sorvetes, balas e guloseimas em geral, cereais açucarados para o desjejum matinal, misturas para bolos, barras de cereal, sopas de saquinho, macarrão e temperos instantâneos, molhos, salgadinhos de pacote, refrescos e refrigerantes, iogurtes e bebidas lácteas adoçados e aromatizados, bebidas energéticas, produtos congelados e prontos para aquecimento como massas, pizzas, hambúrgueres, empanados, salsichas, pães de pacotes etc.

Há muitas razões para evitar e ou consumir de forma moderada esses tipos de alimentos. Normalmente não nos trazem nenhum benefício nutricional, ou quando trazem os benefícios são mínimos e não atingem a quantidade suficiente para nutrição adequada, são desbalanceados. Outro fator é que nos proporciona acúmulo de calorias levando a obesidade e consequentemente outras doenças. Além do impacto ambiental, pois na maioria das vezes esses alimentos são embalados em materiais que não são biodegradáveis.

Recomendação

Faça de alimentos in natura ou minimamente processados a base de sua alimentação! Esses alimentos proporcionam nutrição balanceada, saborosa, prazerosa e são culturalmente apropriados e promovem um sistema alimentar socialmente e ambientalmente sustentável.

“ Geralmente o problema não está no que comemos, e sim no que não comemos! ”