Sobre a Dengue

Folder Borracharias.indd

A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer “melindre”, “manha”. O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês de arthropod-bornvirus, vírus oriundo dos artrópodos).

O que é Dengue?
O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus quer ocorre principalmente em áreas tropicais e subtropicais do mundo, inclusive no Brasil. As epidemias geralmente ocorrem no verão, durante ou imediatamente após períodos chuvosos.

O dengue clássico se inicia de maneira súbita e pode ocorrer febre alta, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dores nas costas. Às vezes aparecem manchas vermelhas no corpo. A febre dura cerca de cinco dias com melhora progressiva dos sintomas em 10 dias. Em alguns pacientes podem ocorrer hemorragias.

O que é Dengue Hemorrágica?
Dengue hemorrágica é uma forma grave de dengue. No início os sintomas são iguais ao dengue clássico, mas após o 5º dia da doença alguns pacientes começam a apresentar sangramento e choque. Os sangramentos ocorrem em vários órgãos. Este tipo de dengue pode levar a pessoa à morte. Dengue hemorrágica necessita sempre de avaliação médica.

Qual a causa?
A infecção pelo vírus, transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti, uma espécie hematófaga originária da África que chegou ao continente americano na época da colonização. Não há transmissão pelo contato de um doente ou suas secreções com uma pessoa sadia, nem fontes de água ou alimento.

Cuidados com o meio ambiente.

A melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, segue abaixo algumas dicas:

  • Remover folhas, galhos e tudo que possa impedir água de correr pela calha.
  • Não deixe água da chuva acumular.
  • Lave internamente os tanques que armazenam água.
  • Mantenha bem tampada tonéis e caixas d’água.
  • Preencha com areia os pratinhos dos vasos de planta.
  • Guarde garrafa sempre de cabeça para baixo.
  • Se você tiver plantas aquáticas troque a água e lave os vasos principalmente por dentro com água e sabão, uma vez por semana.
  • Pneus abandonados ou velhos deveram ser entregues ao serviço de limpeza urbana, pois eles acumulam água da chuva.
  • Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada.

Como tratar?

Não existe tratamento específico para dengue, apenas tratamentos que aliviam os sintomas.
Deve-se ingerir muito líquido como água, sucos, chás, soros caseiros, etc. Não devem ser usados medicamentos à base de ácido acetil salicílico e anti-inflamatório, como aspirina e AAS, pois podem aumentar o risco de hemorragias.

Sem título

Fonte: www.dengue.org.br

26 de abril – Dia Nacional de Controle da Hipertensão Arterial

2835193235_faa5abc7d7_b

Hipertensão arterial

Hipertensão arterial ou pressão alta é uma doença crônica de múltiplas causas.

A pressão arterial é a pressão do sangue que exerce dentro das artérias mantidas pela força propulsora do coração. É caracterizada por dois valores o máximo (pressão sistólica) e o mínimo (pressão diastólica).

Conforme as diretrizes brasileiras de hipertensão a pressão arterial é considerada normal se a sistólica for menor que 130 mmHg (ou 13cmHg) e diastólica menor que 85 mmHg (ou 8,5 cmHg).

Entretanto há uma tendência á redução desses níveis sendo considerados ótimos os níveis de pressão sistólicas menor que 120mmhg e de pressão diastólica menor que 80 mmHg(8,0cmHg).

A hipertensão é uma doença muito prevalente que atinge cerca de 15 a 20% da população brasileira. Os níveis constantes elevados de pressão arterial vão comprometendo em silêncio órgãos nobres como coração, rins, cérebro e olhos.

O que acontece no organismo de um hipertenso?

As artérias vão progressivamente perdendo elasticidade, ficam mais “endurecidas” e dificulta a passagem do sangue, razão pela qual o coração precisa exercer uma, pressão maior para bombea-ló. As alterações decorrente desse esforço refletem em artérias de outros órgãos como rins, cérebro e retina.

Sintomas:

A maioria as pessoas que tem hipertensão não apresenta sintomas. Quando presentes os mais comuns são tonturas, zumbidos no ouvido e eventualmente sangramento nasal, cefaleia não é um sintoma tão frequente. Outros sintomas como palpitação, dor no peito, falta de ar, inchaço, alterações visuais, perda de memória e de equilíbrio, palidez, problemas urinários e dores nas pernas demonstram que os órgãos alvos da doença podem estar comprometidos. Nesses casos convém procurar um médico imediatamente.

Causas:

Em 90 a 95% dos casos não há causa conhecida para a hipertensão. Mas em alguns casos parecem ter relação com doenças, como as renais e endócrinas, uso de medicações, uso de drogas, obesidade, alimentação com excesso de sal, ingestão de bebida alcoólica e outros.

É importante lembrar que a pressão arterial varia nas 24 horas do dia e pode ser influenciada pelo estado psicológico ou emocional da pessoa, hábito e atividade cotidiana.

Diagnostico:

O diagnostico é baseado na verificação da pressão arterial. Outros recursos utilizados seria o teste ergométrico ou teste de esforço, assim como a monitorização ambulatorial da pressão arterial (mapa).

Tratamento:

Para algumas pessoas uma dieta com menos sal, menos calórica, evitar o cigarro, ingerir menos álcool, realizar atividade física, e perder peso, são suficientes para controlar a pressão.

Outros casos, porém necessitam de uso regular de medicamento estabelecido pelo médico.

Importância de controlar a hipertensão:

A hipertensão arterial reduz a expectativa de vida do paciente, a mesma é responsável por 40% das mortes por acidente vascular cerebral e 25% dos infartos agudo do miocárdio, como também alterações renais e oculares.

Prevenção:

Levar uma vida saudável, manter o peso adequado, não ingerir bebidas alcoólicas, fazer exercícios, não fumar, e adotar dieta balanceada com consumo reduzido de sal, são atitudes preventivas. Também é recomendável que toda pessoa com mais de 40 anos faça medidas periódicas da pressão arterial, principalmente as pessoas que apresentam histórico de pressão alta na família.

Fonte: SaudeGéia.com.br

Mudanças de temperatura podem aumentar o risco de doenças respiratórias

Após o calor do verão, chega o outono, a temperatura cai, e as chuvas acontecem em menor quantidade. Por causa disso, o organismo pede cuidados especiais já que essas mudanças climáticas prejudicam a dispersão da poluição, esta responsável por doenças respiratórias. As temperaturas mais baixas fazem as pessoas usarem roupas mais quentes, que estavam guardadas há meses o que facilita a proliferação de Ácaros e Fungos.

Estima-se que 30% da população no Brasil apresentam problemas respiratórios relacionados às questões descritas acima.

A Asma, assim como a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, são doenças inflamatórias que apresentam relação direta com a piora da qualidade do ar.

A Gripe, Resfriado, e Pneumonia são doenças infecto contagiosas favorecidas pelo fato das pessoas permanecerem com maior frequência em ambientes fechados devido ao frio, e pela baixa umidade do ar.

A Rinite Alérgica, assim como a Sinusite são processos favorecidos pela baixa temperatura, baixa umidade, e poluição.

O que devemos fazer nas estações do ano mais frias, para prevenir os problemas respiratórios?

  • Aumentar a ingestão de água;
  • Procure permanecer em locais abertos;
  • Umedecer o ambiente fechado através de umidificador de ar;
  • Utilizar puffs de solução salina para o nariz, principalmente em dias mais frios e secos;
Fonte: SBTP

Dicas para fazer lanches mais leves e saudáveis ao longo do dia

lanche-saudavel-dicas-alimentacao-140395306

A hora que bate a fome, ou entre o almoço e o jantar, muita gente costuma optar por lanches mais calóricos. Momentos de ansiedade ou tristeza aumentam nossa busca por alimentos mais gordurosos. Mas será que essas escolhas são por causa do gosto das pessoas ou por falta de opção? Segundo os especialistas, o lanche é a refeição feita entre o almoço e o jantar e é fundamental para diminuir a fome nas refeições principais.

Apesar de ser importante para a saúde, a hora do lanche pode também ser perigosa, principalmente por causa da falta de opções.

Essa falta de opções é um grande obstáculo para uma alimentação balanceada. Comer um salgado ou algo mais calórico uma vez ou outra não tem problema, mas quando isso se torna um hábito, pode ser ruim.

Outro problema que também pode atrapalhar a rotina alimentar é o estado emocional , muita gente desconta agonias e tristezas na comida. As pessoas quando comem em momentos de estresse, como por exemplo, chocolate, pudim, coxinha, massas, esfirras e tortas, o resultado para o organismo é ruim.

O problema é que, na maioria das vezes, as pessoas escolhem esses alimentos no fim da tarde, por falta de opção, ou por gula, e não por fome.

Apesar das dificuldades e da gula, é possível fazer um lanche saudável.

O importante é fazer combinações corretas, sem restringir o grupo alimentar – por exemplo, uma refeição com pão com manteiga, bolo e suco tem só carboidratos; se for de iogurte, achocolatado, peito de peru e queijo, só proteínas; e no caso de granola, pipoca e banana, apenas fibras. Todas essas combinações são exemplos de lanches ruins, segundo os especialistas.

O ideal é que a refeição tenha os três grupos, alertamos que é bom evitar bolos, biscoitos recheados, salgadinhos e refrigerantes e preferir sempre alimentos naturais ou minimamente processados.

Outra dica é levar lanches de casa, como pacotinhos pequenos de sementes, peras, iogurtes, maçãs, bananas e outros alimentos leves.

Fonte: G1.com

OMS RECOMENDA REDUÇÃO DO CONSUMO DE AÇÚCAR PELA METADE

açucar-geia-oms

O objetivo é fornecer recomendações sobre o consumo de açúcares livres para reduzir o risco de Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) em adultos e crianças; com um foco particular sobre a prevenção e controle de ganho de peso e cárie dentária.

As novas diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam que apenas 5% do total de calorias ingeridas ao dia venham do açúcar. Essa quantidade é metade do que o órgão sugeria há dez anos, quando foi publicada sua última diretriz sobre o tema.

De acordo com a OMS, fazer com que 10% das calorias diárias venham do açúcar é o mínimo para beneficiar a saúde. No entanto, reduzir essa porcentagem para 5% proporciona efeitos positivos adicionais. Essa taxa equivale a 25 gramas de açúcar por dia (cerca de seis colheres de chá) — ou 100 das 2.000 calorias diárias recomendadas para um adulto diariamente.

A recomendação abrange todos os tipos de açúcar (sacarose, glicose e frutose) vindos de alimentos como o açúcar de mesa, mel, sucos e polpa de frutas ou adicionados a produtos industrializados.

A Organização alerta ainda sobre o elevado custo de doenças como a Obesidade e Cáries Dentárias para o orçamento de saúde. Elas custam, em média, de 5% a 10% do orçamento dos países industrializados – e esse número tende a crescer. Essas doenças são causadas pelo aumento da ingestão de altas doses de açúcar contidas em produtos industrializados que, por vezes, não são vistos como doces. Em uma colher de sopa de ketchup, por exemplo, há quatro gramas de açúcar (cerca de uma colher de chá), enquanto uma lata de refrigerante chega a ter quarenta gramas de açúcar, ou dez colheres de chá.

O açúcar pode provocar várias manifestações, como alterações da memória, miopia, hipertensão, derrame, câncer, acne, e síndrome metabólica que leva a aumento do risco coronariano, entre outras.

HPV – Papiloma Vírus Humano

4.0.4

Precisamos conhecer

Papiloma Vírus Humano, responsável pela doença sexualmente transmissível mais comum, é um vírus que infecta a pele e a mucosa. São diversos tipos de vírus HPV, desde os de ação nos genitais que se manifestam através de verrugas, até os que causam câncer. Segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), 25% das brasileiras estão infectadas, sendo que 3% a 10% é que desenvolvem um câncer relacionado.

Segundo informações da Comissão de Doenças Infecto-Contagiosas em Ginecologia e Obstetrícia da Febrasgo, 80% de homens e 80% de mulheres, com vida sexualmente ativa, entrarão em contato com o vírus, porém somente uma pequena parcela desenvolverá algum tipo de doença relacionada ao vírus.

Nem todos os tipos de HPV provocam câncer de colo uterino, mas quase 100% dos casos de câncer de colo de útero, assim como 90% dos casos de câncer de ânus, 30% dos casos de câncer de boca, e quase 50% dos casos de câncer de pênis, tem relação com o HPV. Uma mulher que tem o HPV tipo 16, tem chance 500 vezes maior de desenvolver câncer de colo de útero em comparação a uma mulher que não tenha o vírus.

Como pode ser diagnosticada a presença do HPV?

Através da realização do exame Papanicolau, exame preventivo, que deve ser realizado pelas mulheres anualmente. No caso dos homens, os mesmos somente procuram um médico quando apresentam alguma lesão evidente. A presença de verrugas no ânus, pênis e vulva, acarretam a busca da avaliação médica.

Ter contraído o HPV e não ter a doença é possível?

Sim, a pessoa pode ter contraído o vírus, e o mesmo pode ficar na célula, mas o corpo pode não permitir que o vírus ocasione alguma lesão.

Como podemos nos prevenir do HPV?

A transmissão ocorre através do contato com a mucosa, não havendo a necessidade da penetração na relação sexual. O uso do preservativo masculino (camisinha) protege 80 %, porém a vacina é a principal maneira de prevenção dos tipos que mais causam câncer e verrugas genitais.

Quais são as vacinas?

Existem duas vacinas contra o HPV, a quadrivalente e a bivalente. A quadrivalente previne contra quatro tipos de HPV (6,11,16 e 18). O tipo 16 e 18 respondem por 70% dos casos de câncer de colo de útero, e o tipo 6 e 11 pelo surgimento das verrugas genitais.

Quem deve receber a vacina?

Este ano (2014), no mês de março, será realizada no Sistema único de Saúde (SUS), A VACINAÇÃO GRATUITA, do tipo Quadrivalente, em meninas de 11 a 13 anos. À partir de 2015 a vacinação também ocorrerá para meninas à partir de 9 anos de idade.

A vacinação também pode ser realizada em clínica particular de imunização, e custa cerca de R$ 300,00 à R$ 400,00, por dose. A vacinação é constituída de 03 doses, 1ª dose, 2ª dose após 02 meses, e a 3ª dose após 06 meses. A vacina tem eficácia comprovada para mulheres que ainda não iniciaram vida sexual.

SUS começa a vacinar meninas contra HPV em março

O Ministério da Saúde recebeu o primeiro lote da vacina contra o papilomavírus (HPV), com quatro milhões de doses que serão distribuídas gratuitamente na Campanha de Vacinação deste ano, em março, pelo SUS. O insumo, que previne contra o câncer de colo de útero, será aplicada gratuitamente em meninas de 11 a 13 anos em 2014 e, a partir do ano seguinte, será ofertado também para meninas de 9 e 10 anos.

A vacina contra HPV que será distribuída no SUS é a quadrivalente, que previne contra quatro tipos de HPV (6, 11, 16 e 18). Dois deles (16 e 18) respondem por 70% dos casos de câncer de colo de útero, responsável atualmente por 95% dos casos de câncer no País. É o segundo tipo de tumor que mais atinge as mulheres, atrás apenas do câncer de mama.

Cada menina deve receber três doses da vacina para estar imunizada contra o HPV. Após a primeira dose, a segunda deverá ocorrer em seis meses e a terceira, em cinco anos. A vacina deve ser aplicada com autorização dos pais ou responsáveis. Ela tem eficácia comprovada para mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual e, portanto, não tiveram nenhum contato com o vírus.

Fonte: www.drauziovarella.com.br

Como vai a sua saúde financeira?

Confira 8 sinais de que sua saúde financeira não vai bem.

O estudo Pulso Brasil Fiesp/Ciesp, realizado em todo o país pelo Depecon (Departamento de Estudos e Pesquisas Econômicas) com cerca de mil entrevistados, revelou que 42% das pessoas que responderam a pesquisa consideram ter uma saúde financeira ruim ou muito ruim.

Se você se encaixa nesses números, está na hora de tomar uma atitude. Antes que a situação fique muito pior, perceba 8 sinais de que a sua saúde financeira não vai bem e contorne a situação o quanto antes.

  1. Você gasta mais do que ganha: se você gasta mais do que ganha por mês, está na hora de recalcular seus gastos. Passe a controlar as despesas para que, no final do mês, você não esteja no negativo. Corte coisas supérfluas.
  2. Todo mês você utiliza o cheque especial: se você usa o limite do cheque especial mensalmente, algo está errado. Esse tipo de atitude mostra que você está gastando mais do que deve. Por isso, planeje-se e passa a gastar apenas aquilo que ganha e não utilize cheques especiais ou outras alternativas do gênero.
  3. Você atrasa o pagamento de suas contas com frequência: se suas contas vivem atrasadas, este é um sinal de que sua saúde financeira não vai bem. Tente controlar seus gastos e ganhos para descobrir o porquê da dificuldade em cumprir os compromissos.
  4. Você abusa do cartão de crédito e não consegue pagar a fatura: se você usa até o limite de seu cartão de crédito e sempre está pagando o mínimo da fatura, tome cuidado. Pare de somar dívidas no cartão, liquide as faturas, fique apenas com um cartão e apenas compre no crédito aquilo que realmente for necessário.
  5. Você não tem ideia de quanto ganha e nem de quanto gasta: se você não faz ideia de quanto ganha e quanto gasta, e mesmo assim seu saldo continua negativo, está na hora de fazer as contas. Faça uma planilha com todos os seus ganhos e gastos para poder ter um controle no final do mês e, dessa forma, sair do vermelho.
  6. Você recorre a empréstimos para pagar dívidas: se quando você está lotado de dívidas, a primeira que você faz é recorrer a um empréstimo pessoal, talvez esteja indo pelo caminho errado. Em vez de pagar a dívida, você está criando outra. O mais recomendável é quitar a dívida que você já tem e não criar uma nova. Tente negociar com quem você está devendo e não com um banco ou uma financiadora.
  7. Mais de 30% de seu salário está comprometido: normalmente, os bancos e financiadoras recomendam que seja comprometido apenas 30% do salário de uma pessoa. Porém, há quem ultrapasse esse limite e acabe comprometendo parte do dinheiro que é destinado para despesas básicas, como comida e saúde. Por isso, tente nunca comprometer mais de 30% de seu salário.
  8. Você vive preocupado com a sua situação financeira: se você encosta a cabeça no travesseiro e não consegue dormir pensando em todas as contas que tem para pagar, esse é um sinal claro de que sua saúde financeira não vai bem. Por isso, repense sua situação e tente consertá-la para poder dormir tranquilamente à noite. E, assim, preservar a saúde de uma forma geral.

Fonte: blogdaseguros.com.br

Novembro Azul: um alerta à população masculina

20131126_novembro_azul_v2
Após o Outubro Rosa, mais um importante passo inicia pela prevenção. O foco passa a ser contra o câncer de próstata. Seguindo exemplo, o Novembro Azul integra a programação mundial para conscientizar o sexo masculino nos aspectos da prevenção da doença. Em menos de 30 anos, a taxa de mortalidade nos homens brasileiros por câncer de próstata aumentou mais de 95% e é o segundo câncer mais comum entre os homens, sendo o primeiro o de pele não melanoma. Conforme o Ministério da Saúde, são mais de 50 mil casos novos todo ano, com o número de mortes ultrapassando os 12 mil registros. O mês ainda tem um reforço nessa luta: 17 de novembro é o Dia Nacional de Combate ao Câncer de Próstata.
Preconceito, falta de informação, ideias equivocadas… Estas são algumas das características do comportamento masculino quando o assunto é saúde, sobretudo quando envolve a próstata. O assunto é delicado, todos sabemos. Por isso, surgiu a ideia de desenvolver uma Campanha especialmente voltada ao esclarecimento do tema e quebra de paradigmas, para mudar de vez o cenário nacional, que traz números cada vez mais alarmantes sobre o Câncer de Próstata.