Dia Internacional da Mulher, como e por que o mundo celebra?

Se você está procurando uma oportunidade para celebrar e agradecer pelas mulheres maravilhosas que você tem em sua vida, o dia 08 de março é a uma oportunidade perfeita. Esta é a data conhecida como o Dia Internacional da Mulher, comemorado em todo o mundo em prol do respeito, apreço e amor por todas as mulheres.

O oito de março é um dia em que todos nós podemos esquecer os papéis de gênero que vieram sendo impostos desde a Idade Média para comemorarmos o fato de que mulheres e homens hoje têm direitos iguais. É uma celebração muito importante e tem sido realmente reconhecida e comemorada desde o início da década de 1900: um momento de turbulência e de industrialização.

Esse foi um período de grande agitação política e de ideologias radicais, mas foi a batalha travada pelas mulheres, para serem reconhecidas, o acontecimento que mais se destaca. E, assim, como qualquer boa história, elas conseguiram o que queriam no final.

Isso é o que nós celebramos no Dia Internacional da Mulher – mas como?

“Tornando-se um feriado público”

Em muitos países, o Dia Internacional da Mulher é um feriado público – ou seja – nada de escola e nem de trabalho.

Países como o Cazaquistão, Mongólia, Armênia e Burkina Faso são apenas algumas das nações que comemoram a data com o uso de um feriado público, enquanto alguns países, como a China, só permitem que as mulheres tenham este dia como um feriado.

Fonte: Exame.com.br

Campanha 20 Anos O Câncer de Mama no Alvo da Moda

A campanha O Câncer de Mama no Alvo da Moda fez 20 anos em 2015. Para celebrar, foi criado um filme que surpreendeu até mesmo as estrelas convidadas para participar da Campanha. E você, como reagiria ao câncer de mama, o segundo mais incidente e o que mais mata as mulheres no Brasil?

‪#‎20AnosNoAlvoDaModa ‪#‎OutubroRosa‪#‎CancerDeMama ‪#‎SuaSaude ‪#‎Mulher ‪#‎Mamografia‪#‎VamosFazerADiferencaAntesDoOutubroRosaDe2016

 

É preciso saber!

DENGUE: é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. No Brasil, foi identificada pela primeira vez em 1986. Estima-se que 50 milhões de infecções por dengue ocorram anualmente no mundo.

TRANSMISSÃO

A principal forma de transmissão é pela picada dos mosquitos Aedes aegypti. Há registros de transmissão vertical (gestante – bebê) e por transfusão de sangue. Existem quatro tipos diferentes de vírus do dengue: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.

SINAIS E SINTOMAS

A infecção por dengue pode ser assintomática, leve ou causar doença grave, levando à morte. Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta (39° a 40°C), de início abrupto, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele.

Perda de peso, náuseas e vômitos são comuns. Na fase febril inicial da doença pode ser difícil diferenciá-la. A forma grave da doença inclui dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, sangramento de mucosas, entre outros sintomas.

Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde

TRATAMENTO

Não existe tratamento específico para dengue. O tratamento é feito para aliviar os sintomas. Quando aparecer os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde mais próximo, fazer repouso e ingerir bastante líquido. Importante não tomar medicamentos por conta própria

PREVENÇÃO

Ainda não existe vacina ou medicamentos contra dengue. Portanto, a única forma de prevenção é acabar com o mosquito, mantendo o domicílio sempre limpo, eliminando os possíveis criadouros. Roupas que minimizem a exposição da pele durante o dia, quando os mosquitos são mais ativos, proporcionam alguma proteção às picadas e podem ser adotadas principalmente durante surtos. Repelentes e inseticidas também podem ser usados, seguindo as instruções do rótulo. Mosquiteiros proporcionam boa proteção pra aqueles que dormem durante o dia (por exemplo: bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos).

CHIKUNGUNYA: é uma doença transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. No Brasil, a circulação do vírus foi identificada pela primeira vez em 2014. Chikungunya significa “aqueles que se dobram” em swahili, um dos idiomas da Tanzânia. Refere-se à aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada, na Tanzânia, localizada no leste da África, entre 1952 e 1953.

SINTOMAS

Os principais sintomas são febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Pode ocorrer ainda dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Não é possível ter chikungunya mais de uma vez. Depois de infectada, a pessoa fica imune pelo resto da vida. Os sintomas iniciam entre dois e doze dias após a picada do mosquito. O mosquito adquire o vírus CHIKV ao picar uma pessoa infectada, durante o período em que o vírus está presente no organismo infectado. Cerca de 30% dos casos não apresentam sintomas

TRATAMENTO

Não existe vacina ou tratamento específico para Chikungunya. Os sintomas são tratados com medicação para a febre (paracetamol) e as dores articulares (antiinflamatórios). Não é recomendado usar o ácido acetilsalicílico (AAS ou Aspirina) devido ao risco de hemorragia. Recomenda‐se repouso absoluto ao paciente, que deve beber líquidos em abundância.

PREVENÇÃO

Assim como a dengue, é fundamental que as pessoas reforcem as medidas de eliminação dos criadouros de mosquitos nas suas casas e na vizinhança. Quando há notificação de caso suspeito, as Secretarias Municipais de Saúde devem adotar ações de eliminação de focos do mosquito nas áreas próximas à residência e ao local de atendimento dos pacientes.

ZIKA: é um vírus transmitido pelo Aedes aegypti e identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015. O vírus Zika recebeu a mesma denominação do local de origem de sua identificação em 1947, após detecção em macacos sentinelas para monitoramento da febre amarela, na floresta Zika, em Uganda.

SINTOMAS

Cerca de 80% das pessoas infectadas pelo vírus Zika não desenvolvem manifestações clínicas. Os principais sintomas são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. No geral, a evolução da doença é benigna e os sintomas desaparecem espontaneamente após 3 a 7 dias. No entanto, a dor nas articulações pode persistir por aproximadamente um mês. Formas graves e atípicas são raras, mas quando ocorrem podem, excepcionalmente, evoluir para óbito, como identificado no mês de novembro de 2015, pela primeira vez na história.

TRANSMISSÃO

O principal modo de transmissão descrito do vírus é pela picada do Aedes aegypti. Outras possíveis formas de transmissão do vírus Zika precisam ser avaliadas com mais profundidade, com base em estudos científicos. Não há evidências de transmissão do vírus Zika por meio do leito materno, assim como por urina, saliva e sêmen. Conforme estudos aplicados na Polinésia Francesa, não foi identificada a replicação do vírus em amostras do leite, assim como a doença não pode ser classificada como sexualmente transmissível. Também não há descrição de transmissão por saliva.

TRATAMENTO

Não existe tratamento específico para a infecção pelo vírus Zika. Também não há vacina contra o vírus. O tratamento recomendado para os casos sintomáticos é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e manejo da dor. No caso de erupções pruriginosas, os anti-histamínicos podem ser considerados.

Não se recomenda o uso de ácido acetilsalicílico (AAS ou Aspirina) e outros anti-inflamatórios, em função do risco aumentado de complicações hemorrágicas descritas nas infecções por outros flavivírus. Os casos suspeitos devem ser tratados como dengue, devido à sua maior frequência e gravidade conhecida.

CUIDADOS PARA O PÚBLICO EM GERAL

Prevenção/Proteção
Utilize telas em janelas e portas, use roupas compridas – calças e blusas – e, se vestir roupas que deixem áreas do corpo expostas, aplique repelente nessas áreas. Fique, preferencialmente, em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis.

Cuidados
Caso observe o aparecimento de manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados ou febre, busque um serviço de saúde para atendimento. Não tome qualquer medicamento por conta própria. Procure orientação sobre planejamento reprodutivo e os métodos contraceptivos nas Unidades Básicas de Saúde.

Informação
Utilize informações dos sites institucionais, como o do Ministério da Saúde e das Secretarias de Saúde. Se deseja engravidar: busque orientação com um profissional de saúde e tire todas as dúvidas para avaliar sua decisão. Se não deseja engravidar: busque métodos contraceptivos em uma Unidade Básica de Saúde.

CUIDADOS PARA GESTANTE

Prevenção/Proteção
Utilize telas em janelas e portas, use roupas compridas – calças e blusas – e, se vestir roupas que deixem áreas do corpo expostas, aplique repelente nessas áreas. Fique, preferencialmente, em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis.

Cuidados
Busque uma Unidade Básica de Saúde para iniciar o pré-natal assim que descobrir a gravidez e compareça às consultas regularmente. Vá às consultas às consultas uma vez por mês até a 28ª semana de gravidez; a cada quinze dias entre a 28ª e a 36ª semana; e semanalmente do início da 36ª semana até o nascimento do bebê. Tome todas as vacinas indicadas para gestantes. Em caso de febre ou dor, procure um serviço de saúde. Não tome qualquer medicamento por conta própria.

Informação
Se tiver dúvida, fale com o seu médico ou com um profissional de saúde.
Relate ao seu médico qualquer sintoma ou medicamento usado durante a gestação.
Leve sempre consigo a Caderneta da Gestante, pois nela consta todo seu histórico de gestação

CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO

Proteger o ambiente com telas em janelas e portas, e procurar manter o bebê com uso contínuo de roupas compridas – calças e blusas.
Manter o bebê em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis.
A amamentação é indicada até o 2º ano de vida ou mais, sendo exclusiva nos primeiros 6 meses de vida.
Caso se observem manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados ou febre, procurar um serviço de saúde.
Não dar ao bebê qualquer medicamento por conta própria.

Informação
Após o nascimento, o bebê será avaliado pelo profissional de saúde na maternidade. A medição da cabeça do bebê (perímetro cefálico) faz parte dessa avaliação.
Além dos testes de Triagem Neonatal de Rotina (teste de orelhinha, teste do pezinho e teste do olhinho), poderão ser realizados outros exames.
Leve seu bebê a uma Unidade Básica de Saúde para o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento conforme o calendário de consulta de puericultura.
Mantenha a vacinação em dia, de acordo com o calendário vacinal da Caderneta da Criança

A RELAÇÃO DO ZIKA VÍRUS COM A MICROCEFALIA

Microcefalia é uma malformação congênita, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Neste caso, os bebês nascem com perímetro cefálico (PC) menor que o normal, ou seja, igual ou inferior a 32 cm. Essa malformação congênita pode ser efeito de uma série de fatores de diferentes origens, como substâncias químicas e agentes biológicos (infecciosos), como bactérias, vírus e radiação.

O Ministério da Saúde confirmou a relação entre o vírus Zika e a microcefalia. O Instituto Evandro Chagas, órgão do ministério em Belém (PA), encaminhou o resultado de exames realizados em um bebê, nascida no Ceará, com microcefalia e outras malformações congênitas. Em amostras de sangue e tecidos, foi identificada a presença do vírus Zika. Essa é uma situação inédita na pesquisa científica mundial.

As investigações sobre o tema, entretanto, continuam em andamento para esclarecer questões como a transmissão desse agente, a sua atuação no organismo humano, a infecção do feto e período de maior vulnerabilidade para a gestante. Em análise inicial, o risco está associado aos primeiros três meses de gravidez. O achado reforça o chamado para uma mobilização nacional para conter o mosquito transmissor, o Aedes aegypti, responsável pela disseminação doença.

COMO DENUNCIAR OS FOCOS DOS MOSQUITOS

As ações de controle da dengue ocorrem, principalmente, na esfera municipal. Quando o foco do mosquito é detectado, e não pode ser eliminado pelos moradores de um determinado local, a Secretaria Municipal de Saúde deve ser acionada.

É preciso saber que o único causador dessas três doenças graves é o mosquito Aedes aegypti em sua picada. Portanto é preciso conscientização e ações de cada um de nós para que o mosquito seja eliminado do nosso meio!

Fonte: Combate Aedes

Dia Nacional da Mamografia

05 de fevereiro é o Dia Nacional da Mamografia. Instituído há 2 anos, a partir do Projeto de Lei da Senadora Maria do Rosário (PT-RS), a data objetiva sensibilizar mulheres sobre a importância de realizar o exame para a detecção precoce do câncer de mama, uma das principais causas de morte entre mulheres no Brasil.

Segundo o Instituto Oncoguia, hoje existem 3315 mamógrafos no país, e o relatório do Tribunal de Contas da União divulgou que o número é adequado em relação ao que preconizam organismos internacionais (se a distribuição fosse homogênea, o número adequado seria 1 mamógrafo para cada 240.000 habitantes). Acontece que, da população brasileira, 80% utilizam o SUS, e destes 3315 mamógrafos, apenas 1650 estão disponíveis no sistema público, sendo que 412 pertencem exclusivamente às UPSs (Unidades Públicas de Saúde). Além disso, sabe-se que a distribuição dos mamógrafos não é homogênea para servir adequadamente às necessidades da população.

Para o diretor médico do Instituto Oncoguia, o oncologista clínico Dr. Rafael Kaliks, além da questão do número de aparelhos, a simples disponibilidade de mamógrafos no país não garante o impacto do exame na redução da mortalidade por câncer de mama. “Deve-se garantir, por exemplo, a qualidade do exame realizado. Um rastreamento mal feito dá a falsa sensação de segurança à paciente e ao sistema de saúde como um todo”, comenta. Também, para que a execução da mamografia de rastreamento traga benefício a uma mulher, um resultado anormal no exame deve ser seguida de investigação imediata (com exames adicionais) e tratamento apropriado em tempo hábil, entre 30 e 40 dias diante de um eventual diagnóstico de câncer.

Outra questão para reflexão nesse Dia Nacional da Mamografia, recorre sobre a “aderência” ao exame. De acordo com o INCA, 70% das brasileiras entre 50 e 69 anos têm acesso à mamografia – incluindo rede pública e privada. No entanto, dados da Pesquisa Avon/IPSOS – Percepções sobre o Câncer de Mama – revelam que apenas 20% das mulheres brasileiras fazem a mamografia ao menos a cada dois anos. “O importante é garantir que ao menos 70% da população elegível faça o exame, caso contrário não se observará redução da mortalidade por câncer de mama graças a esta estratégia de rastreamento”, afirma Rafael Kaliks.

Existem também outras barreiras à aderência das brasileiras ao exame de mamografia como por exemplo: dor durante o exame, o medo da possibilidade da descoberta de um câncer (ainda há quem pense que é melhor não fazer para não saber), o medo de resultados errados, o medo do estigma social do câncer e até mulheres que possuem silicone e que não querem fazer o exame por medo de perder a prótese.

Alerta!

Pacientes com familiares próximos que tiveram câncer de mama e/ou ovário em idade precoce (antes dos 50 anos), devem ficar alertas e discutir a questão com seus respectivos médicos. Para estas pessoas com história familiar, o rastreamento DEVE ser iniciado mais precocemente, sob orientação idealmente de um mastologista ou ginecologista com experiência em câncer de mama.

Fonte: Instituto Oncoguia

Dia Mundial Contra o Câncer

O dia Mundial Contra o Câncer é ocorre em 4 de fevereiro. A data foi criada pela União Internacional Contra o Câncer (UICC) com a intenção de chamar a atenção globalmente para a doença e desmitificar conceitos.

Para combate e detecção precoce do câncer são possíveis muitas ações, que estão em nosso alcance!

A redução dos fatores de riscos sociais e ambientais para o câncer e a disseminação de informações sobre o assunto para a comunidade, é um ótimo começo!

Pois um terço dos cânceres mais comuns podem ser evitados por meio de comportamentos saudáveis, como: não fumar, reduzir o consumo de álcool, adotar alimentação saudável rica em frutas, legumes, verduras e grãos, sair do sedentarismo e a prática de atividade física regular.

Você sabia que:

– Mais de 12 milhões de pessoas no mundo são diagnosticadas todo ano com algum tipo de câncer! E cerca de 8 milhões morrem!

– O tabagismo responde sozinho por, pelo menos 22% de todas as mortes por câncer!

– O álcool está fortemente associado ao risco aumentado de câncer de boca, faringe, laringe, esôfago, intestino, fígado e mama!

– A obesidade já afeta entre 20 a 40% dos adolescentes em todo o mundo. O excesso de peso e a obesidade estão fortemente ligados ao aumento do risco de câncer do intestino, mama, útero, pâncreas, esôfago, rins e vesícula biliar na idade adulta.

– A proteção contra a radiação ultravioleta (UV) também é fundamental para a prevenção do câncer de pele!

Além de adotar práticas saudáveis, a detecção precoce é muito importante! Por isso fique sempre atento! Pois nem todos os tipos de câncer apresentam sinais e sintomas no início, dificultando o diagnóstico precoce! Mas, para muitos, incluindo os de mama, do colo de útero, colorretal, da pele, oral, e alguns tipos de câncer na infância, os benefícios de abordagens sistemáticas para a detecção precoce são conclusivos, reduzindo significativamente a mortalidade e as possíveis sequelas da doença.

Ao perceber algo diferente com o seu corpo, procure um médico ou outro profissional da área da saúde! Converse! Sempre existirá um caminho para que você possa evitar agravos maiores para a sua saúde!

Fonte: INCA

Dia Mundial de Combate à Hanseníase

Comemorado no último domingo do mês de janeiro (31/01/2016), o “Dia Mundial de Combate à Hanseníase”, tem o objetivo de conscientizar a população e reafirmar o compromisso de luta contra a doença nos países endêmicos.

A hanseníase é doença infectocontagiosa crônica, causada pelo Mycobacterium leprae. Apresenta múltiplas formas, as quais manifestam-se por diferentes tipos de lesões na pele. A característica mais importante dessas lesões é a diminuição da sensibilidade (calor e frio) na pele, devido ao acometimento de terminações nervosas livres e/ou troncos nervosos.

Outros sintomas são: Sensação de formigamento, fisgadas ou dormência nas extremidades; manchas brancas ou avermelhadas, áreas da pele aparentemente normais que têm alteração da sensibilidade e da secreção de suor; caroços e placas em qualquer local do corpo; diminuição da força muscular (dificuldade para segurar objetos).

O diagnóstico da doença é clínico e pode ser complementado pela pesquisa do bacilo na pele. É fundamental que a doença seja reconhecida precocemente e que se institua o tratamento adequado com a poliquimioterapia (PQT), que leva à cura da doença. Caso o tratamento seja tardio, podem ocorrer sequelas e incapacidades físicas. Os medicamentos e a assistência médica são fornecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Atualmente, o Brasil ocupa o primeiro lugar no ranking mundial de prevalência da hanseníase, e ainda registra cerca de 30 mil novos casos por ano, sendo o segundo em número absoluto de casos no mundo. A doença apresenta tendência de estabilização dos coeficientes de detecção, mas ainda em patamares muito altos nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste, onde se concentra a maioria dos casos detectados

A prevenção da doença é feita baseada na divulgação da doença para a população, pois conhecendo os sinais e sintomas é possível detectar a doença precocemente e tratar sem que novos casos apareçam. A aplicação da vacina BCG em todas as pessoas que compartilham o mesmo domicílio com o portador da doença também é um método preventivo!

Fique atento!!! E repasse informações úteis sobre saúde!

Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia

Cuidados com a pele no verão

Durante o verão, aumentam as atividades realizadas ao ar livre. A radiação solar incide com mais intensidade sobre a Terra, aumentando o risco de queimaduras, câncer da pele e outros problemas. Por isso, não podemos deixar a foto proteção de lado. Veja a seguir dicas para aproveitar a estação mais quente do ano sem colocar a saúde em risco.

Roupas e acessórios

Além do filtro solar (nosso de todo dia), no verão é importante usar chapéu e roupas de algodão nas atividades ao ar livre, pois retêm cerca de 90% da radiação UV. Tecidos sintéticos, como o nylon, retêm apenas 30%. Evite a exposição solar entre 10h e 16h (horário de verão). As barracas usadas na praia devem ser feitas de algodão ou lona, materiais que absorvem 50% da radiação UV. Outro objeto que tem extrema importância são os óculos de sol, que previnem cataratas e lesões a córnea.

Filtro solar

O filtro solar deve ser aplicado diariamente, e não somente nos momentos de lazer. Os produtos com Fator de Proteção Solar (FPS) 15 ou 20 podem ser usados no dia a dia; e o FPS 30 ou superior é ideal para uma exposição mais longa ao sol (praia, piscina, pesca etc.).

O produto deve proteger contra os raios UVA (indicado pelo PPD) e contra os raios UVB (indicado pelo FPS). Aplique o produto 30 minutos antes da exposição solar, para que a pele o absorva. Reaplique-o a cada duas horas, mas fique atento, esse tempo diminui se houver transpiração excessiva ou se você entrar na água. Aplique o protetor uniformemente em todas as partes de corpo, isso inclui mãos, orelhas, nuca, pés

Uma dica bacana é que o uso de fluidos siliconados nas pontas dos cabelos impede que eles se danifiquem com o vento, calor ou maresia. Não se esqueça de proteger as cicatrizes. Quando novas podem ficar escuras se não forem protegidas. Se antigas podem desenvolver tumores na pele, apesar de ser um evento raro. Pode ser colocado o filtro na própria cicatriz ou protegê-las com adesivos ou esparadrapos.

Em crianças, inicia-se o uso do filtro solar a partir dos seis meses de idade, utilizando um protetor adequado para a pele sensível da criança, de preferência os filtros físicos. Você pode pedir orientação a um pediatra ou a um dermatologista sobre qual o melhor tipo para cada caso. É preciso que as crianças e jovens criem o hábito de usar o protetor solar diariamente, pois 75% da radiação acumulada durante toda a vida ocorre na faixa entre 0 e 20 anos.

Alerta! As pessoas de pele negra têm uma proteção “natural” da pele, pela maior quantidade de melanina produzida, mas não podem esquecer da foto proteção, pois também estão sujeitas a queimaduras, câncer da pele e outros problemas. Assim como as pessoas de pele mais clara, precisam usar filtro solar, roupas e acessórios apropriados diariamente. Ótimo!

HÁBITOS DIÁRIOS IMPORTANTES!

No banho, use sabonetes compatíveis com o tipo de pele. A temperatura da água deve ser fria ou morna, para evitar o ressecamento.

As temperaturas mais quentes exigem hidratação redobrada, por dentro e por fora. Aumente a ingestão de líquidos no verão e abuse da água, suco de frutas e da água de coco. Todos os dias, aplique um bom hidratante, que ajuda a manter a quantidade de água na pele entre 10% a 30%.

Alguns alimentos podem ajudar na prevenção dos danos que o sol causa à pele, como cenoura, abóbora, mamão, maçã e beterraba, pois contêm carotenóides, substância que se deposita na pele e retém as radiações ultravioletas. Esta substância é encontrada nas frutas e legumes de cor alaranjada ou vermelha.

No verão estamos mais dispostos a comer alimentos saudáveis, carnes grelhadas, alimentos crus e cozidos. Frutas e legumes com alto teor de água e com baixo teor de carboidratos e muitas fibras também são muito comuns nesta época. Aposte nestes alimentos para ajudar na hidratação do corpo, prevenir doenças e os sinais do envelhecimento.

Aproveite o verão sem deixar de cuidar da sua saúde! Divirta-se!

Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia

Dicas de Alimentação para as festas de Final de Ano

Muitas são as dicas passadas sabiamente por nutricionistas de uma alimentação saudável nas festas de final de ano. Por isso resolvemos elencar algumas para ajudar você que não quer fugir das regras de alimentação saudável nas festas de confraternização!

Antes de ir para a festa de confraternização ou para a ceia natalina e ou de réveillon, não fique muito tempo sem se alimentar, a dica é: alimentar-se de frutas, sucos naturais ou sanduíches leves. Desta forma você não chegará no local com muita fome e automaticamente comerá menos!

Como entrada, prefira preparos com legumes, ao invés de canapés e patês a base de maionese ou creme de leite. Evite também a mesa de frios com vários embutidos e queijos amarelos.

Em relação as proteínas de origem animal, dê preferência para o peito de perú, chester, fiesta ou peixes. Modere na quantidade de pernil, lombo, leitão, tender. Procure consumir carnes sempre assadas, cozidas ou grelhadas.

Não consuma alimentos gordurosos, muitas frituras e com muito sal. Além de altos níveis de calorias, esses tipos de alimentos causam certa indisposição.

Não misture os carboidratos em uma mesma refeição, por exemplo: arroz, batata, farofa, massas, etc.

Cuidados com as castanhas, nozes, amêndoas, avelãs, pistache, amendoins, etc. Estas apesar de serem saudáveis, se consumidas juntas e em grandes quantidades, são excessivamente calóricas!

Não abuse das frutas cristalizadas, essas são revestidas de açúcar refinado, e por isso tornam-se mais calóricas. Prefira as frutas secas, como damasco, ameixas, uva passa.

Não exagere nas bebidas alcóolicas, pois além do teor alcóolico, elas contêm açúcares. Se consumir, prefira apenas um tipo, não misture-as!

Tempere a comida/salada com limão, azeite de oliva virgem ou extra virgem, ervas e especiarias (alho, cebola, cheiro verde, alecrim, sálvia, gengibre, cúrcuma, etc.), e pouco sal. Evite molhos a base de maionese, molho shoyu, barbecue, caldos e temperos prontos.

Dê preferência ao panetone tradicional (com as frutinhas), e não aos com recheio de chocolates ou trufados. Mesmo assim, não exagere!

Quanto as inúmeras sobremesas, consuma fatias/porções pequenas de pudins, bolos, pavês, tortas e sorvetes. Dê preferência às frutas, saladas de frutas, gelatinas.

E caso sinta que exagerou na alimentação, aproveite o dia seguinte para praticar alguma atividade física para queima das calorias adquiridas!

Lembre-se: as festas de confraternização não se limitam somente a mesa! Mas a estar junto com os entes queridos e amigos para celebrar!

Um Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

O dia 1º de dezembro é o dia Mundial da Luta Contra a AIDS!

Desde a descoberta do vírus do HIV entre 1930 e 1959, passando pela oficialização do nome da doença AIDS (Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida), entre 1981 e 1982, o registro de milhões de casos e mortes, somente em meados da década de 1980, houve a descoberta, a venda e a distribuição gratuita de medicações que reduzem a multiplicação viral, o AZT. Conhecido popularmente por “coquetel”, houve a preocupação com controle das doenças oportunistas (Pneumonia, Diarréia Crônica, Neurotoxoplasmose, Citomegalovirose, Pneumocistose, Infecções na pele, boca e garganta causadas por fungos). Durante anos, inúmeros estudos foram e ainda são realizados, porém, mesmo munidos de alta tecnologia ainda não fora possível encontrar a cura para a doença.

O que aprendemos e temos como “arma” contra a AIDS são ações de conscientização da população para controle e combate à doença.

Prevenção:

  • Estudos apontam que 34,1% dos jovens não usam preservativo

O preservativo é o meio essencial para se evitar o vírus do HIV, causador da AIDS! Previne também contra inúmeras doenças sexualmente transmissíveis e a gravidez indesejada.

Conscientização:

  • Ser consciente é ser responsável

Apenas “saber” não é o suficiente! Você precisa colocar o conhecimento em prática!

  • Não arrisque a sua vida e a do (a) seu parceiro (a)

Quem faz sexo sem proteção corre o mesmo risco que um usuário de drogas compartilhando uma seringa. Ambas situações podem ser a porta de entrada para contaminação.

  • Respeito: Um fim ao preconceito

Infelizmente, muitos ainda discriminam um soropositivo pela sua condição e o HIV continua sendo um grande tabu que divide a nossa sociedade. De qualquer modo, o respeito é um valor mútuo e essencial, pois da mesma forma que é um direito seu ser respeitado, é também um dever seu respeitar.

A proteção contra o vírus está em nosso alcance. Proteja-se!

Fonte: Digitalmed

25 de novembro | Dia nacional do doador voluntário de sangue

A data foi instituída no Brasil em 30 de junho de 1964, pelo decreto 53.988 promulgado pelo Presidente Castello Branco.

 

Você sabia?

Que em uma única doação de sangue entre 400ml e 450ml, é possível obter até quatro componentes diferentes que são utilizados em quatro situações clínicas muito importantes?

Concentrado de hemácias, ou concentrado de glóbulos vermelhos. Utilizado em pessoas com anemia, que sofreram acidentes ou passaram por cirurgias.

Concentrado de plaquetas. Fundamental no tratamento de câncer, nas quimioterapias e transplantes, principalmente nos transplantes de medula óssea.

Plasma. Utilizado em problemas de coagulação.

Crioprecipitado. Menos frequente, mas pode ser utilizado em tratamento para pessoas com hemofilia e com alteração grave de coagulação.

 

O que é preciso para doar?

  • Estar em boas condições de saúde. Portanto, é muito importante ser honesto na hora do preenchimento do formulário antes de iniciar a doação.
  • Ter entre 16 e 69 anos
  • Pesar no mínimo 50 kg
  • Estar descansado (ter dormido no mínimo 6 horas nas 24 horas anteriores.
  • Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação.
  • Apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial.

 

Conheça alguns postos onde você pode fazer doação com segurança e em dias alternativos!

 

Posto Clínicas

Av: Dr. Enéias Carvalho de Aguiar, 155 – 1º andar – Cerqueira César – SP.

De segunda a sexta-feira, das 7:00h ás 19:00h

Sábados e Feriados, das 8:00h ás 18:00h

Domingos, no 1º e 3º de cada mês, das 8:00h ás 18:00h

Posto Dante Pazzanese

Av: Dr. Dante Pazzanese, 500 – Ibirapuera – SP.

De segunda a sexta-feira, das 8:00h ás 17:00h

Sábados, das 8:00h ás 16:00h

Domingos e feriados: Fechado

 

Posto Regional de Osasco

Rua: Oswaldo Collino s/nº – Presidente Altino – Osasco – SP.

De segunda a sexta-feira, das 8:00 ás 16:30h

Sábado, das 8:00h ás 16:00h

Domingos e Feriados: Fechado

 

“Doar sangue é um ato de carinho e amor pelo próximo!”